Ibovespa
125.115,73 pts
(-0,01%)
Dólar comercial
R$ 5,21
(0,28%)
Dólar turismo
R$ 5,44
(0,42%)
Euro
R$ 5,54
(0,02%)

4Truck e XCMG se aliam para implementar o primeiro caminhão elétrico BiTruck no Brasil

Em fase de testes com sider da 4Truck, o veículo é o primeiro caminhão elétrico a receber um implemento
Por Redação em 29 de novembro de 2023 às 11h26
4Truck e XCMG se aliam para implementar o primeiro caminhão elétrico BiTruck no Brasil
Foto: Divulgação / 4Truck
Foto: Divulgação / 4Truck

A empresa de máquinas pesadas XCMG (Xuzhou Construction Machinery Group Co. Ltd.) terá o primeiro caminhão com propulsão, totalmente elétrico, a circular pelas rodovias do Brasil. A novidade, que já está em fase de testes, foi desenvolvida em parceria com a 4Truck Soluções sobre Rodas, empresa nacional de implementos rodoviários.

O baú lonado (sider) da 4Truck terá impressão digital nas portas traseiras e nas lonas laterais, além de um logotipo indicando que é sustentável. “Estamos implementando caminhões elétricos há dois anos, mas esse é o primeiro modelo trucado. O veículo elétrico é novo, interessante e sustentável, e sua chegada ao país, numa parceria com a 4Truck, nos deixa muito honrados”, celebra Osmar Oliveira, CEO e fundador da 4Truck. Com este veículo, o custo por quilômetro rodado deve ser 60% mais barato do que os caminhões tradicionais. 

O modelo E7-29R da XCMG tem o Peso Bruto Total Combinado (PBTC) de 29 toneladas e pode percorrer até 150 quilômetros de autonomia com uma carga, com uma velocidade máxima de 80 km/h. Outras especificações técnicas do caminhão elétrico constam uma tração de 6x4, uma potência de 282 cv e uma bateria de 282 kWh recarregável e substituível com um sistema elétrico de 2 fios e controle negativo como o fonte. O tempo necessário para recarga total do veículo é de aproximadamente 1 hora.

Por enquanto, o E7-29R está sendo aplicado somente no transporte em distâncias curtas. Uma possível frota elétrica de caminhões não só neutralizaria consideravelmente as emissões de carbono que atualmente a antiga libera com o diesel, mas também proporcionaria mais resistência e agilidade nas estradas, afirma Osmar.

“O Brasil tem uma frota bastante envelhecida, que polui muito, tem menos ergonomia para o motorista, quebra mais fácil, pesa mais no asfalto, e transporta quantidades menores de itens por veículo. Por isso a renovação da frota é importante, e a mudança nas tecnologias do caminhão ajuda bastante”, avalia Osmar.

 

LEIA TAMBÉM:

Usamos cookies e tecnologias semelhantes para melhorar sua experiência, analisar estatísticas e personalizar a publicidade. Ao prosseguir no site, você concorda com esse uso, em conformidade com a Política de Privacidade.
Aceitar
Gerenciar