Ibovespa
122.478,62 pts
(0,94%)
Dólar comercial
R$ 5,39
(-0,87%)
Dólar turismo
R$ 5,60
(-1,08%)
Euro
R$ 5,79
(-0,46%)

Hapag-Lloyd cresce operações no primeiro trimestre

Receitas aumentaram nos três primeiros meses deste ano para US$ 9 bilhões
Por Redação em 7 de junho de 2022 às 10h18
 Hapag-Lloyd cresce operações no primeiro trimestre

A Hapag-Lloyd informa que concluiu o primeiro trimestre de 2022 com um Ebitda de US$ 5,3 bilhões (EUR 4,7 bilhões). O Ebit subiu para US$ 4,8 bilhões (EUR 4,3 bilhões), e o lucro do Grupo subiu para US$ 4,7 bilhões (EUR 4,2 bilhões).

“O ano teve um início excepcionalmente forte no geral e, embora tenha havido os primeiros sinais de que o mercado ultrapassou seu pico, também esperamos um forte segundo trimestre”, diz o CEO da Hapag-Lloyd AG, Rolf Habben Jansen.

As receitas aumentaram no primeiro trimestre de 2022 para US$ 9 bilhões (EUR 8,0 bilhões). Segundo a empresa, isso pode ser atribuído principalmente a uma taxa média de frete muito mais alta de 2.774 USD/TEU (1º trimestre de 2021 - 1.509 USD/TEU) e um dólar americano mais forte.

A companhia diz que muitos portos ainda estão congestionados e as infraestruturas do interior estão sobrecarregadas, o que, em conjunto, resulta em tempos de resposta mais longos para navios e contêineres. No geral, os volumes de transporte ficaram aproximadamente no mesmo nível do ano anterior, em 3 milhões de TEUs. O resultado foi impactado pelo aumento das despesas com movimentação de contêineres e um preço médio de consumo de bunker cerca de 60% mais alto, que ficou em US$ 613 por tonelada (1º trimestre de 2021: US$ 384 por tonelada) no primeiro trimestre.

Com base no desempenho atual dos negócios, o segundo trimestre, espera a companhia, superará as expectativas anteriores. Em vista dessas circunstâncias, o Conselho Executivo da Hapag-Lloyd AG elevou sua previsão de lucros para o atual exercício financeiro em 28 de abril. Para o exercício de 2022, espera-se agora um Ebitda na faixa de US$ 14,5 a 16,5 bilhões (EUR 13,6 a 15,5 bilhões) e um Ebit na faixa de US$ 12,5 a 14,5 bilhões (EUR 11,7 a 13,6 bilhões). No entanto, essa previsão permanece sujeita a incertezas consideráveis, dada a pandemia de Covid-19 em andamento e a guerra na Ucrânia.

“As cadeias de suprimentos globais continuam sob pressão significativa – principalmente por causa das recentes medidas tomadas na China em resposta aos surtos de Covid-19. Espera-se que esta situação melhore no segundo semestre do ano. Para nossos clientes em todo o mundo, faremos tudo o que estiver ao nosso alcance para ajudar a normalizar esse difícil ambiente de mercado o mais rápido possível. Ao mesmo tempo, continuaremos a nos concentrar na qualidade e sustentabilidade e implementaremos ainda mais nossa Estratégia 2023”, pontua Jansen.

Usamos cookies e tecnologias semelhantes para melhorar sua experiência, analisar estatísticas e personalizar a publicidade. Ao prosseguir no site, você concorda com esse uso, em conformidade com a Política de Privacidade.
Aceitar
Gerenciar