Quarta-feira, 30 de abril de 2014 - 10h18
Santos Brasil divulga resultados do primeiro trimestre
Lucro líquido da empresa no período foi de R$ 32,1 milhões; ao todo, foram armazenados 21.118 contêineres

A Santos Brasil anunciou ontem, 29 de abril, que encerrou o primeiro trimestre do ano apresentando recuperação em suas margens operacionais, mesmo em um período de baixa movimentação histórica. Com elevação de 107,2% em volume, a cabotagem foi responsável por 17% do total de contêineres movimentados no período. No segmento de Logística, a empresa manteve o ritmo de crescimento operacional com incremento de 7,2% do total de contêineres armazenados no trimestre, que somaram 21.118 unidades.

Os três terminais operados pela Santos Brasil no país movimentaram 251.949 contêineres nos três primeiros meses do ano. O Tecon Imbituba (SC) alcançou aumento de 60,4% no volume movimentado, resultado de um novo serviço de cabotagem que começou a atracar no local em fevereiro. A rota operada pela Hamburg Sud tem como destino final o Golfo do México.

No Tecon Vila do Conde (PA), o volume de contêineres também obteve um desempenho positivo com crescimento de 70,7%, impulsionado pelo serviço de cabotagem por barcaças e navios. Já o Tecon Santos (SP), cujo market share é de 46,5% do complexo santista, reduziu em 12,9% sua movimentação no período.

O Terminal de Veículos (TEV), também localizado no complexo portuário santista, que mantinha uma tendência de recuperação nos últimos trimestres, sofreu impacto no volume operado no primeiro trimestre deste ano devido à decisão do governo argentino, tomada em dezembro, de limitar a importação de veículos leves. A queda registrada foi de 31,2% com total de 39.572 veículos movimentados, sendo 89,6% veículos leves.

Indicadores

 A receita bruta dos serviços de operação apresentou queda de 23,5%, em função da redução do volume de operações no Tecon Santos, mudança do mix de serviços que, desde o aumento da capacidade do Porto de Santos, passou a movimentar maior quantidade de contêineres de transbordo e a deterioração do mix de contêineres cheio-vazio, que registrou 70,7% de cheios, e redução de 11,4% no faturamento de exportação de reefers (refrigerados). A receita líquida consolidada foi de R$ 280,1 milhões.

O Ebitda registrado de janeiro a março deste ano totalizou R$ 90,2 milhões e margem de 32,2%. Neste cenário, a companhia ressalta a busca por uma maior eficiência alinhada ao novo perfil de serviços prestados – fatores que possibilitaram a recuperação da margem em relação à apresentada no trimestre anterior, além da redução de 0,9% nos custos e 9% nas despesas.

O lucro líquido da empresa no período foi de R$ 32,1 milhões. O trimestre foi encerrado ainda com um saldo de caixa de R$ 142,7 milhões e dívida líquida de R$ 165,9 milhões.