Sexta-feira, 17 de maio de 2019 - 11h50
Recordes operacionais no Tecon Salvador
Terminal computou em março a operação de 5.149 contêineres; no trimestre, cabotagem registrou o transporte de 12.473 unidades

O Tecon Salvador, terminal de contêineres do Grupo Wilson Sons, revela que a movimentação de cargas por navegação em águas costeiras por cabotagem realizada no terminal superou o recorde histórico mensal e acumulado no primeiro trimestre de 2019. O melhor resultado mensal no histórico do terminal foi alcançado em março deste ano, com a movimentação de 5.149 contêineres. O maior volume, até então, tinha sido 5.018 contêineres, em agosto de 2018. Março também alavancou o índice em 47% em relação ao mesmo período em 2018. Polímeros (210%) e siderúrgicos e metalúrgicos (326%) foram os segmentos de destaque. De janeiro a março, o recorde de cabotagem foi conquistado com o transporte de 12.473 contêineres cheios (22%).

A sequência de bons resultados evidencia, segundo informações da empresa, a consolidação do modal como opção para o transporte de cargas pela costa brasileira que, para trechos mais longos, torna-se uma opção mais segura e com menos chances de avarias. Além disso, traz uma redução de custos logísticos que pode chegar a 30%.

“No Tecon Salvador, a cabotagem alcança recordes seguidos, com média de crescimento anual de 10%. Os resultados são fruto de um esforço em conjunto entre nossa equipe comercial e armadores, e apesar de já ser um case de sucesso, nosso empenho continua no sentido de apoiar novos clientes e cargas”, diz a diretora comercial do Tecon Salvador, Patrícia Iglesias.

Resultados gerais

A movimentação geral de cargas em março foi de 17.231 contêineres, 21% a mais que o mesmo período de 2018, tendo também os segmentos de polímeros diversos (42%), siderúrgicos e metalúrgicos (61%), seguido de arroz (52%) como os mais representativos. No fechamento do trimestre, o aumento foi de 11%, com 50.106 contêineres.

Foram destaque no mês os segmentos siderúrgico e metalúrgico (33%) e açúcar e derivados (100%). Já no trimestre também siderúrgico e metalúrgico (22%), além de calçados e partes que compõem o produto (24).

Na exportação, o embarque de frutas do Vale do São Francisco, uma das principais cargas movimentadas, puxou o índice de crescimento do mês com alta de 81% e no trimestre com alta de 38%, com a Europa como principal destino.

As cargas de importação do mês de março com mais representatividade foram peças e equipamentos (79%), borracha e suas obras (60%) e minérios (56%). No trimestre, os destaques foram peças e equipamentos (49%), produtos de varejo (25%) e polímeros diversos (20%).