Segunda-feira, 17 de agosto de 2020 - 9h34
VLI computa resultados operacionais positivos no primeiro semestre
Companhia movimentou 12,5 milhões de toneladas de grãos e açúcar, crescimento de 14% frente ao mesmo período de 2019

A VLI, empresa de soluções logísticas que integra terminais, ferrovias e portos, divulga que movimentou 12,5 milhões de toneladas de grãos e açúcar no primeiro semestre de 2020, crescimento de 14% na comparação com o mesmo período do ano anterior.

O volume de grãos –  soja, milho e farelo – superou 10 milhões de t, enquanto a movimentação de açúcar ficou próxima de 2 milhões de t. “Esses indicadores mostram a força do agronegócio brasileiro e a capacidade da VLI de contribuir para um setor essencial ao país. Mesmo diante das adversidades do ano, nos adaptamos para manter todas as operações oferecendo segurança aos profissionais e eficiência para os clientes”, diz o gerente geral Comercial de Grãos e Açúcar da VLI, Igor Figueiredo.

A companhia conta com seis terminais integradores, que recebem cargas do agronegócio no modal rodoviário e transferem os produtos para a ferrovia. Essas unidades nos estados de Minas Gerais, Tocantins e São Paulo e fazem parte do sistema integrado que reúne ainda o tramo norte da Ferrovia Norte-Sul, a Ferrovia Centro-Atlântica e operações portuárias no Maranhão, Espírito Santo e São Paulo.

Divulgação

Rota do açúcar e de grãos no Sudeste

O Terminal Integrador Portuário Luiz Antonio Mesquita (Tiplam), ativo administrado pela VLI na Baixada Santista, registrou um crescimento de 25% na movimentação de grãos e açúcar no semestre comparando com o mesmo período de 2019. O porto embarcou cerca de 4 milhões de t. “Contribuímos para o aumento das exportações brasileiras em virtude do ganho crescente de eficiência do Tiplam. Isso está relacionado à integração de terminais, ferrovia e porto”, ressalta Figueiredo.

O Tiplam teve sua ampliação concluída em 2018 e recebe 100% das cargas de exportação por meio da ferrovia. O sistema está conectado aos terminais de Uberaba, no Triângulo Mineiro, e Guará, no interior de São Paulo. Ambos recebem cargas do Mato Grosso, Minas Gerais, São Paulo e Goiás.

O terminal já é responsável por cerca de 1/3 do açúcar exportado por Santos e a expectativa no médio e longo prazo é ampliar o volume em razão dos novos armazéns construídos em parceria com a Tereos no Tiplam e em Guará, no interior de São Paulo.