Terça-feira, 14 de outubro de 2014 - 10h42
TCP bate recorde histórico de movimentação de contêineres
Terminal operou, no último mês de agosto, 74.898 TEUs

O Terminal de Contêineres de Paranaguá (TCP) bateu, no último mês de agosto, o recorde de movimentação de contêineres cheios dentro de um único mês desde sua criação, em 1998. O terminal movimentou no mês 74.898 TEUs e o volume de contêineres cheios exportados e importados foi 12% superior ao registrado em agosto de 2013.

O resultado do mês reforça a tendência de crescimento do volume de contêineres movimentados pelo TCP em 2014, superior à média de crescimento da movimentação de contêineres na área de abrangência do terminal, que engloba os estados do Paraná, São Paulo, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso e Santa Catarina. Nos primeiros oito meses do ano, o volume de contêineres cheios apresentou crescimento de 6% sobre o mesmo período de 2013 enquanto o mercado cresceu 2,1%.

De acordo com o diretor-superintendente Comercial do TCP, Juarez Moraes e Silva, o crescimento está associado aos investimentos em ampliação e modernização realizados nos últimos anos e à oferta de serviços porta a porta. “O mercado de contêineres no centro sul do Brasil cresce apenas 2% este ano, em razão principalmente de uma queda na importação. Diante deste cenário, o TCP tem conseguido crescer acima de seus concorrentes com a adoção de soluções logísticas ancoradas na armazenagem no interior e transporte via ferrovia”, diz.

O investimento no modal ferroviário, como uma alternativa de transporte de cargas dos produtores até o porto, é o principal diferencial do terminal. Hoje, o TCP é o terminal que mais recebe cargas via ferrovia na América do Sul, sendo mais de 6 mil contêineres ao mês. “Com isto, estamos conquistando clientes, sendo que muitos deles antes não passavam pelo TCP”, afirma. O executivo completa dizendo que outro fator que vem contribuindo para o crescimento do volume de movimentação do terminal é o uso de contêineres para o transporte de commodities, como soja, milho e farelo.

Moraes e Silva lembra ainda que, aliado a isto, a recente inauguração do novo cais do terminal – que ampliou a área destinada aos navios de 564 metros para 879 m de extensão – aumentou a disponibilidade do TCP para receber navios fora da janela, isto é, embarcações que perderam o horário agendado para atracação devido a atrasos em outros portos do sistema. “Aumentamos em 23% o número de navios que recebemos fora da janela programada. Esta flexibilidade é fundamental para assegurar o transporte da carga para o embarcador”, ressalta.